Caminhando na praia num domingo fui abordado por jovens, que me solicitaram uma entrevista para um trabalho universitário. Eu parei e eles disseram: o senhor não vai se incomodar? O tema é sobre a morte! Maravilha, que belo tema, parabéns! Vamos conversar. Os estudantes me olharam surpresos e alguém disse: finalmente! Estamos aqui desde cedo e até agora ninguém aceitou falar sobre esse assunto. Parece que morrer e nascer são coisas opostas, mas são fenômenos que se complementam. Somos apenas uma criatura perecível? Será que as pessoas nascem, vivem e morrem, sem outros horizontes? Jarbas Mattos, do Rio de Janeiro, nos pergunta: Isso tem lógica?