O maior campo: a vida

É preciso nos capacitarmos para viver todas as partes da nossa vida com plenitude e consciência: família, amigos, estudo/profissão e o mundo pessoal. Porém, é natural que o homem tenha mais inclinação em vivenciar mais um aspecto que outros, e canalize a maior parte de sua energia, de seus conhecimentos e aspirações nesse singelo pontinho!

  • Mas… e se esse aspecto ao qual você deu tanto valor não se sustenta mais?
  • Você é demitido daquele emprego que sempre almejou ou termina aquele relacionamento ao qual se dedicou tanto. Sua felicidade se vai também?
  • Quais outras bases você tem para se sustentar?

Isso aconteceu comigo! Durante um longo período, coloquei minha felicidade em um único ponto, e quando essa parte,que havia me dedicado tanto,parou de existir, me vi só, pois não havia cultivado a vida por completo.

Nessa fase, um pensamento inquietava minha mente: se tenho que estudar para exercer minha profissão, como não estudar minha maior obra, que é a própria vida?

Imagina chegar em uma idade e, ao olhar para trás, perceber que não fiz a melhor escolha que determinou o rumo da minha existência?! Perdi tempo, perdi vida! Era hora de ser dona do meu interno e das minhas escolhas, pedacinho por pedacinho!
Percebi que era influenciada por pensamentos, por sentimentos e até mesmo por opiniões alheias! Será que era dona de mim mesma? Quem estava controlando minha vida? O que eu tinha cultivado dentro de mim que poderia usar para enfrentar as dificuldades ao longo da jornada?

Trabalhando pro autoaperfeiçoamento

Peguei um papel, escrevi como atuava em todos tópicos ao qual pertenço, como filha, como profissional, como amiga e o arquétipo que almejo ser em cada um. Percebi que não bastava ser muito boa como amiga e não ser uma boa filha, por exemplo. Se quero evoluir, preciso me melhorar por inteiro! Avaliei minhas deficiências com lealdade, identifiquei meus erros e comecei a estudar como combate-los e, no lugar, construir virtudes.

Percebi que todos os momentos que vivia precisavam de uma constante atenção e observação, era preciso vive-los conscientemente para que minha conduta fosse grata às pessoas ao meu redor, ao ambiente e ao meu interno. A cada escolha, a cada luta realizada, tendo-a vencido ou não, ia fazendo anotações, analisando os câmbios que realizava e os aspectos que ainda precisava cultivar em mim, a fim de ser um ser humano melhor, principalmente em meu ambiente interno.

Identifiquei os pensamentos que habitavam minha mente, selecionando os melhores e os cultivando com afeto, pois devemos guardar apenas aqueles que são dignos desse sentimento tão nobre.

Estudando Logosofia, fui aplicando os ensinamentos na vida e me construindo tijolo por tijolo, deixando de ser quem eu era e me tornando quem almejava ser. Pensava: vida é escolha, é determinação, é luta!

Ser feliz em todos os campos

Hoje tenho a oportunidade de olhar para trás e reconhecer o ser que estou construindo, sentindo como é grata cada conquista, pois é realizada com mérito! Tenho melhorado a vida por completo, com carinho, com dedicação e muita consciência, conduta que foi notada por todos ao meu redor, não em apenas em um aspecto da vida, como era antigamente, mas em todos!

Além do mais, ao ficar triste devido a uma decepção em um aspecto, eu terei vários outros motivos para sorrir e deixar meu interno mais grato, sereno e feliz! Percebi que quando passamos a cuidar de nós mesmos, melhorando nossa capacidade e sabendo da nossa responsabilidade para com nossas próprias escolhas e atuações, descobrimos a real liberdade, pois passamos a ser verdadeiramente donos de nós mesmos.

Há felicidade em tudo se soubermos cultivá-la em nós, se vivermos plenamente cada porção de vida e se dermos o devido valora tudo que fazemos, por inteiro!

Para quê reduzir a nossa existência em um ponto só, se ela é muito mais bonita completa?