artigos


Aproveite para tomar contato com os artigos de Carlos Bernardo González Pecotche, criador da Logosofia.

Os demais artigos foram extraídos de trabalhos realizados por logósofos, com resultados alcançados na prática dos conhecimentos oferecidos por essa ciência.

Os artigos poderão ser reproduzidos livremente desde que sejam mencionados o nome da Fundação Logosófica, o site www.logosofia.org.br e o nome de seus autores.

Enganando-se e sendo enganado

A propensão ao engano responde a dois estados característicos da psicologia humana: a ignorância da malícia alheia e a ambição.

 

No primeiro caso, o indivíduo tende ingenuamente a confiar no que lhe é dito ou proposto, sem se deter a examiná-lo e sem se prevenir contra possíveis intenções, ocultas no pensamento do semelhante. 

 

No segundo caso, o entendimento é turbado momentaneamente pela ambição, pois se impõe um pensamento cobiçoso, facilmente percebido por quem tenta fazê-lo vítima de suas maquinações. Este pensamento, que entorpece a função de raciocinar, que dificulta o assessoramento da consciência e ainda chega a silenciar a sensibilidade, mantém o ser enfeitiçado e à mercê do embusteiro, de quem só conseguirá se livrar quando este lhe tenha subtraído quanto pôde, isto é, quando dessa entrega incondicional surja o desfalque mental, moral ou econômico do incauto.

 

Não se entregar à ilusão e a confiar em si mesmo antes de confiar nos outros

 

O homem, de per si muito afeito ao ócio mental, sente-se, por outra parte, atraído por tudo o que é fácil, pelo que não lhe custa esforço e lhe proporciona, em troca, rápidas conquistas em qualquer ordem da vida. Daí sua propensão a ser enganado. A realidade se encarrega depois de adverti-lo de seu erro; mas é lamentável que deva suportar inexoravelmente as consequências, em geral difíceis de aguentar, que todo engano traz consigo.

 

A propensão ao engano, na qual representa um papel importante a faculdade de imaginar, isto é, a imaginação, deixa a mente desguarnecida. Denuncia um adormecimento temporário da inteligência, incapacitando-a para exercer controle sobre os pensamentos sedutores que atentam contra o ser e sobre os atos a que ele se vê compelido, em razão de sua predisposição a deixar-se enganar pelo próximo.

 

Para neutralizar esta funesta tendência, aconselhamos a não se entregar à ilusão e a confiar em si mesmo antes de confiar nos outros.


 

Texto extraído do Livro Deficiências e Propensões do Ser Humano, pág 163
Cadastra-se Projeto Cultural