artigos


Aproveite para tomar contato com os artigos de Carlos Bernardo González Pecotche, criador da Logosofia.

Os demais artigos foram extraídos de trabalhos realizados por logósofos, com resultados alcançados na prática dos conhecimentos oferecidos por essa ciência.

Os artigos poderão ser reproduzidos livremente desde que sejam mencionados o nome da Fundação Logosófica, o site www.logosofia.org.br e o nome de seus autores.

A atenção, estímulo poderoso

São causas da desatenção a ociosidade mental, o há­bito de perder-se em abstrações estéreis e a falta de ideia clara a respeito da responsabilidade que se impõe na con­dução da vida.

 

Revela falta de atividade mental consciente. O homem que não pensa vive geralmente distraído, coope­rando com isso para seu empobrecimento moral e espiritual.

 

Esta é uma propensão particularmente negativa, por­quanto intercepta o normal desenvolvimento das atividades ou atuações diárias, sendo evidente que quem não procura destruí-la a tempo termina por sentir seus efeitos de forma acentuada, sendo continuadamente perseguido por percalços, contra­tempos ou outras situações ingratas. 

 

A desatenção pode tirar defesas do homem, já que subtrai da observação múltiplos detalhes, im­portantíssimos quando se trata de tomar uma resolução, for­mar um juízo, extrair uma conclusão, decidir uma conduta, etc. Além disso, o ser que não está atento a tudo quanto ocorre em torno dele ou no mundo, costuma acolher com temerária ingenuidade qualquer versão que escute, sem prevenir-se contra seus riscos.

 

Nada construtivo poderá fazer em sua vida quem passa a maior parte do tempo sem consciência da realidade que interpenetra seu ser e move os fios de sua existência indi­vidual.

 

A atenção é sinal de consciência 

 

A atenção a tudo o que se faz, a todo acontecimento da vida, não somente é fator de atividade, mas também estímulo po­deroso para o desenvolvimento amplo das aptidões. Se a isso se soma a atenção requerida pelo processo de evolução cons­ciente, que cada ser humano deve realizar para conhecer a si mesmo e a realidade cósmica que o rodeia, assegurar-se-á o concurso permanente da consciência, que é, definitiva­mente, a que deve reger o mecanismo da atenção. 

Extraído do Livro Deficiências e Propensões do Ser Humano, pág.192
Cadastra-se Projeto Cultural