artigos


Aproveite para tomar contato com os artigos de Carlos Bernardo González Pecotche, criador da Logosofia.

Os demais artigos foram extraídos de trabalhos realizados por logósofos, com resultados alcançados na prática dos conhecimentos oferecidos por essa ciência.

Os artigos poderão ser reproduzidos livremente desde que sejam mencionados o nome da Fundação Logosófica, o site www.logosofia.org.br e o nome de seus autores.

A árvore humana

A construção de imagens não é coisa simples. Exige-se certa perícia nessa classe de arquitetura, a fim de que as imagens delineadas e expostas sejam claras e precisas, e contenham a expressão acabada de um conhecimento, de uma verdade ou fato que se queira narrar.

 

Se, para expressar determinados aspectos da vida humana, recorremos, por exemplo, à imagem da árvore, diremos que, comparada a esta, a planta humana tem plasmada em sua semente a sua herança e o seu futuro, mas, diferentemente dela, a árvore humana pode morrer e voltar a nascer no curso de uma só vida. Essa transformação se consuma quando morre a árvore velha da existência estéril, e nasce a nova, de semente selecionada, sob os auspícios de uma concepção superior de vida. Com isso, pode surgir um novo ser, e quanto maior for o cuidado que lhe seja dispensado mediante o cumprimento da lei de evolução, maior será também a possibilidade de alcançar a perfeição da espécie.

 

A árvore humana é a única que pode dar flores e frutos em todas as épocas

 

Se compararmos a árvore humana com alguma dessas árvores do reino vegetal, que costumam produzir muita ramagem, fazendo-as cair sob seu peso insustentável se não são podadas a tempo, compreenderemos, ao retirar delas a folhagem inútil que lhes absorve a vida e as torna estéreis, que no homem, essa ramagem, representa as vaidades, os falsos conceitos e as debilidades. É a frondosidade que a árvore humana por vezes ostenta, enquanto oculta um tronco oco. 

 

Os que estão compreendidos em nossa imagem encontram a justa repulsa daqueles que são sensatos e que pensam com juízo e com lógica. Será fácil compreender, pois, que é preferível um broto fértil a muitos débeis e inférteis.

 

A missão da árvore humana não deve limitar-se a crescer e dar sombra. Chamada a ser a imagem de seu Criador, corresponde-lhe dar flores e frutos, e boa semente, para que a espécie não se debilite nem se extingam suas qualidades e virtudes. 

Extraído da Coletânea da Revista Logosofia, Tomo 3, pág. 177
Cadastra-se Projeto Cultural